58ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB CENTRADA NA PALAVRA DE DEUS

O tema central é a Palavra de Deus, seguindo a proposta das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. O primeiro dia de trabalhos na palavra de Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre e primeiro vic-presidente da CNBB.

Silvonei José, Padre Modino – Vatican News

Da grandiosidade do Santuário Nacional de Aparecida à simplicidade da Capela da sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, também sob a invocação da padroeira do Brasil. Do grande encontro anual no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida à tela do computador ou do celular. Assim teve início nesta segunda-feira, 12 de abril, a 58ª Assembleia Geral da CNBB.

A Eucaristia, presidida por Dom Joel Portella Amado, bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB contou com a participação de convidados e assessores da entidade. O bispo auxiliar do Rio de Janeiro fez um chamado a “nascer de novo”, e assim adquirir “essa coragem para anunciar a Palavra em meio a todas as dificuldades”. Com a celebração iniciou-se a primeira assembleia em formato totalmente remoto, onde são convidados os 475 bispos titulares e eméritos, além de representantes de organismos e pastorais.

O tema central é a Palavra de Deus, seguindo a proposta das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023). Além disso, os bispos vão aprofundar também outros 30 assuntos previstos estatutariamente sobre a vida da Igreja e a evangelização no Brasil. Seguindo os estatutos da CNBB, será realizada uma Assembleia sem votações que impliquem alterações ou consequências de natureza legislativa para a Conferência. Só irão acontecer as votações de natureza pastoral.

Após um momento de oração e as solenidades de abertura a cargo do presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, que acolheu os presentes, especialmente os bispos nomeados nos dois últimos anos e lembrou as vítimas da pandemia, pedindo um momento de silêncio em homenagem, o novo Núncio Apostólico no Brasil, dom Giambattista Diquattro, dirigiu-se pela primeira vez ao episcopado brasileiro reunido em Assembleia, destacando a importância da tecnologia “a serviço da proclamação corajosa da Palavra de Deus”.

A primeira sessão foi o momento para apresentar o relatório bienal 2019-2020. Além disso, também foram apresentados o relatório econômico e o tema central. Os destaques do período da tarde ficam por conta das análises de conjuntura eclesial e social e a programação de atividades dos anos Amoris Laetitia e de São José, em 2021.

Todos os dias acontecerá uma coletiva de imprensa, onde serão tratados os temas mais relevantes de cada jornada.

Sobre o primeiro dia, nós ouvimos o arcebispo de Porto Alegre, Dom Jaime Spengler, primeiro vice-presidente da CNBB…

Falar da Palavra não é novo, segundo Dom Peruzzo. Ele enfatizava que “na tradição bíblica, palavra também é pessoa”. Estamos diante de um tema que nunca será suficientemente esgotado, insistindo em que a palavra cria proximidade entre quem escreveu e quem lê, o que mostra a importância da Palavra de Deus, de partilhar aquilo que é fonte de vida.

Dom Paulo Jackson destacou o “belíssimo movimento de leitura popular da Bíblia, no Brasil e América Latina” surgido da Dei Verbum, destacando a importância do Centro de Estudos Bíblicos – CEBI. Trata-se de fazer com que “a vida inteira da pessoa e das comunidades eclesiais missionarias, e também da própria pastoral e da missionariedade, tudo isso animado pela força da Palavra de Deus. O bispo de Garanhuns falou sobre os desafios para semear a Palavra de Deus, destacando a necessidade de descobrir a Bíblia como fonte de mudanças estruturais.

O objetivo é que “o povo tenha mais desejo da Palavra de Deus”, segundo Dom Armando Bucciol, que falou sobre os diferentes terrenos em que a Palavra de Deus deve ser semeada: na liturgia, destacando a importância da homilia, na ação missionária, na Iniciação Cristã- Catequese, na Piedade Popular, na família, nas juventudes, no diálogo ecumênico e inter-religioso, nos meios de comunicação, nos processos formativos, na presença nas periferias, dentre outros.

Nas perguntas dos jornalistas surgiram algumas reflexões dos bispos. Uma delas, cada vez mais presente na sociedade, é a polarização, que leva a refletir sobre os fundamentalismos, fruto das debilidades, visto por alguns como refúgio seguro e que pode ser considerado irmão do fanatismo, segundo o arcebispo de Curitiba. Ele insistiu em que os fanáticos não dialogam, destacando o papel da religião como poderoso meio de fundamentalismo. Por isso, insistiu na necessidade de despojar-se de convicções, na diferença entre experiência religiosa e experiência de fé. Segundo Dom Peruzzo, as agressões entre católicos têm como causa que eles ouvem pouco a Palavra e não se deixam inspirar nela.

Dom Paulo Jackson vê a polarização como fruto da resistência aos valores da modernidade. Ele denunciou o esfriamento do trabalho bíblico no Brasil, tendo se deixado de realizar o Mês da Bíblia em muitos lugares. Diante disso, afirmou que a Palavra pode ajudar a formar comunidades eclesiais missionárias vivas, animadas, entusiasmadas. A partir da experiência pessoal, acrescentada durante a pandemia, insistiu na necessidade dos bispos e a Igreja tornar mais presente a Palavra na internet.

O abuso e mal uso da Palavra está muito presente na Igreja, segundo Dom Armando, que refletiu sobre a homilia, que não é palestra. O bispo de Livramento de Nossa Senhora refletiu sobre os pregadores que ignoram a Palavra, inclusive nas TVs católicas, insistindo para que o povo seja franco com os padres e bispos para dizer que não é por aí. O bispo deu um conselho não exagerar no tempo e preparar durante várias horas de reflexão. Junto com a Palavra, destacou a importância da Pastoral da Escuta, de multiplicar mentes e corações que saibam de verdade escutar.

FONTE: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2021-04/assembleia-geral-da-cnbb-centrada-na-palavra-de-deus.html

Comentários (1)

  • Reply Tereza - 07/05/2021

    A linguagem dos textos nesse jornal não é esclarecedora.
    Não sei se a superficialidade tratada nos documentos trazidos para nós leigos é perceptível por quem escreve. Infelizmente o tema tratado na reunião anual da CNBB é tratado de forma nos textos contidos nesse jornal de forma incompreensível para muitos leigos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *